MÚSICAS INESQUECÍVEIS

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

TRÁFICO DE SERES HUMANOS

Apontado como uma das atividades criminosas mais lucrativas do mundo, o tráfico de pessoas faz cerca de 2,5 milhões de vítimas, movimentando, aproximadamente, 32 bilhões de dólares por ano, segundo dados do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). Atualmente, esse crime está relacionado a outras práticas criminosas e de violações aos direitos humanos, servindo, não apenas à exploração de mão-de-obra escrava, mas também a redes internacionais de exploração sexual comercial, muitas vezes ligadas a roteiros de turismo sexual, e quadrilhas transnacionais especializadas em remoção de órgãos.

Segundo o Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas, em especial de Mulheres e Crianças (Protocolo de Palermo - 2000), instrumento já ratificado pelo Governo brasileiro, a expressão Tráfico de Pessoas significa:

“o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou a outras formas de coação, ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou à situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins de exploração.”
Uma das vertentes mais trágicas dos crimes ligados ao tráfico de seres humanos envolve os jovens na situação de vítimas. Esse problema, que em sua maior parte se inicia com questões sociais e de educação, vem sendo alvo de especial preocupação por parte de todos os envolvidos no combate e prevenção ao tráfico de pessoas. A atenção com as vítimas tem que ser ainda mais prioritária por se tratar de uma população especialmente vulnerável e, em muitos casos, por outras questões envolvendo a mídia, que reveste de glamour certos aspectos ligados à prostituição.

cada vez mais mulheres sofrem com um novo crime: o tráfico internacional de mulheres, um comércio ilegal que movimenta mais de US$ 9bilhões por ano. Esse é um negócio tão grande que só perde para o tráfico de drogas e de armas. As mulheres são presas e exploradas sexualmente e, na maioria das vezes, não voltam para sua família.

•Apesar de as vítimas serem, em sua maioria, mais humildes, todas as mulheres são alvo
•Se você recebeu uma proposta sem referências para melhorar de vida no exterior, desconfie
•O aliciador pode ser uma mulher. As mulheres, principalmente as conhecidas, se aproximam mais facilmente
•Propostas amorosas súbitas devem ser vistas com desconfiança
•Nunca entregue seu passaporte a ninguém
•Mantenha sempre contato com familiares
•Em caso de emergência no exterior, procure a embaixada ou consulado do seu país no local do seu destino

TRÁFICO DE ÓRGÃOS:
De acordo com relatório da Organização das Nações Unidas, de cinco a dez por cento dos cerca de 68 mil transplantes anuais de rins realizados no mundo, decorrem de ações criminosas.

Nesse mesmo relatório, a ONU chamou a atenção para a existência de uma prática assustadora: o “turismo do transplante”, onde pessoas ricas dos paises desenvolvidos viajam para os paises mais pobres do segundo mundo, para obter órgãos.

As nossas crianças e jovens desaparecem nas ruas e nos descampados e seus corpos mutilados, quando encontrados, não são objeto de exames que possam desvendar a realidade de crimes praticados com a finalidade brutal de comercializar os órgãos das vítimas.

O Observatório Global sobre Doações e Transplantes, criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde da Espanha, estimou que quase cem mil pacientes em todo o planeta recebem a cada ano transplantes de órgãos sólidos, dos quais 65 mil correspondem a rins, 20 mil a fígados e 5.300 a corações.

Mas a quantidade de transplantes de tecidos, entre eles os de córnea e válvula cardíaca, é muito maior, embora não haja números oficiais. “A escassez de órgãos humanos e a pobreza se combinam para criar os mercados”, disse à imprensa um dos autores do estudo, Arthur Caplan, presidente do Departamento de Ética Médica da Universidade da Pennsylvania (EUA). Assegura que em alguns países da “América do Sul e da Ásia”, que não são identificados,  fornecem órgãos de doadores mortos, em troca de dinheiro, a estrangeiros que precisam de transplantes de rim, fígado e coração, entre outros.

TRÁFICO DE CRIANÇAS:
As crianças que podem ter sido traficadas são extremamente vulneráveis. Muitos vão ter experimentado pelo menos uma forma de abuso, quer seja física, sexual ou negligencia emocional, muitas vezes de uma natureza extrema. As pessoas que aliciam crianças fazem um papel de bandido bonzinho, pois cativam essas crianças para tirá-las de perto de casa e com isso as roubam. As crianças são violadas, espancadas, torturadas, privadas de suas necessidades básicas e escravizadas. Elas são deslocadas de seu país de origem para um ou mais novos países, por indivíduos ou grupos que as tem enganado ou aliciado.

O tráfico de pessoas representa hoje no mundo inteiro um dos mais graves problemas pois esse tipo de crime organizado transnacional está fortemente atrelado à exploração sexual, ao comércio de órgãos, à adoção ilegal, à pornografia infantil, às formas ilegais de imigração com vistas à exploração do trabalho em condições análogas à escravidão, ao contrabando de mercadorias, ao contrabando de armas e ao tráfico de drogas.

O tráfico de pessoas viceja onde há graves violações de direitos humanos em decorrência da pobreza extrema, da desigualdade social, racial, étnica e de gênero, das guerras, da perseguição de cunho religioso. Vários países e comunidades sofrem com a exploração sexual de meninas e de mulheres, que são colocadas no mercado do sexo e do trabalho por meio de uma rede de exploradores e aliciadores que atua bem próxima das comunidades.

portal.mj.gov.br/.../ MJ0A9BD4F5ITEMID894216FA4EA2427D987142B31F...
www.comunidadesegura.org/fr/node/37069
projetofabrica.com.br/i-migrantes/trafico_sh.htm

Um comentário:

  1. Olá, blogueiro (a),
    Salvar vidas por meio da palavra. Isso é possível.
    Participe da Campanha Nacional de Doação de Órgãos. Divulgue a importância do ato de doar. Para ser doador de órgãos, basta conversar com sua família e deixar clara a sua vontade. Não é preciso deixar nada por escrito, em nenhum documento.
    Acesse www.doevida.com.br e saiba mais.
    Para obter material de divulgação, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br
    Atenciosamente,
    Ministério da Saúde
    Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/minsaude

    ResponderExcluir